Palestra no dia 16/09 as 14h em São Jose dos Campos CCST/INPE

Divulgando

Data: 16/09
Local: sala 27 daqui do 3o andar do CCST
Horário: 14h00.
Palestrante: Mariana Silva Andrade (Estagiária do projeto EBA)

Título: INFLUÊNCIA DE DENSIDADE DE PULSOS NA MODELAGEM DIGITAL DE TERRENO DE FLORESTA OMBRÓFILA
RESUMO
O uso do LiDAR (Light Detection and Ranging) para estudos em florestas tropicais tem crescido nos últimos anos. Dessa forma, alguns softwares foram desenvolvidos para realizar o processamento nuvem de pontos. Contudo, alguns problemas ainda são encontrados na criação dos modelos digitais de terreno (MDT). Este trabalho tem como objetivo avaliar o efeito da densidade de pulsos na qualidade dos modelos digitais de terreno, considerando dois aspectos fundamentais: a resolução e a precisão vertical, processados em 3 softwares que utilizam algoritmos diferentes. Desse modo, três levantamentos laser aerotransportados foram realizados em duas áreas da Amazônia (Fazenda Cauaxi, no Pará e na Fazenda do Jamari, em Rondônia). O processamento dos dados foi realizado através de três softwares: Fusion, Mcc-Lidar e Lastools. Para escolha do melhor software de processamento considerou-se o menor RQEM com a finalidade de comparar os modelos gerados e observar o (erro médio quadrático). Como resultado foi observado que o software Fusion possui um menor erro na elaboração dos MDTs em comparação com os demais. A densidade de pontos pode ser reduzida até 4 pulsos/ m2 a uma resolução de 1 metro que bons modelos podem ser gerados. Foram encontrados alguns problemas na geração do modelo como os spikes, que poderão ser ajustados com os próprios filtros do Fusion, como o median e o smooth . Logo, conclui-se que é possível reduzir a densidade de pulsos de até 4 retornos/m2 sem perda da qualidade da resolução espacial e da precisão vertical.
Muito obrigada,