Gilberto Câmara – Doutor, INPE, 1995

camaraGilberto Câmara lidera a equipe de P&D em Geoinformática e Modelagem Ambiental do INPE, onde trabalha desde 1980. Gilberto foi diretor do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) no período de dezembro/2005 a maio/2012. Foi chefe da Divisão de Processamento de Imagens (1991-1996), coordenador-geral da área de Observação da Terra (OBT) de outubro/2001 a novembro/2005. Durante seu mandato como diretor, o orçamento do INPE cresceu de R$ 90 milhões em 2004 para R$ 250 milhões em 2010. O INPE definiu um plano estratégico de longo prazo, ampliou a cooperação em tecnologia espacial com a China e EUA, e firmou muitos contratos com indústrias brasileiras. O INPE criou o Centro de Ciência do Sistema Terrestre e do Centro de Pesquisas Espaciais na Amazônia. Temos um novo supercomputador para previsão do tempo e clima e estabelecemos um novo programa de Clima Espacial. Sob sua liderança, o INPE estabeleceu uma política de acesso livre e aberto para seus dados e produtos. Mais de 1,5 milhões de imagens de satélite foram distribuídas pelo INPE entre 2005 e 2011. O INPE também obteve grandes avanços no monitoramento de florestas por satélites, o que levou a uma grande queda no desmatamento na Amazônia. Este esforço foi apoiado pela total transparência da informação, o que mudou a forma como o Brasil e o Mundo olham a Amazônia. É “Senior Member” da Association for Computing Machinery (ACM). Recebeu o título de Dr. Honoris Causa pela Universidade de Muenster (Alemanha) e é Cavaleiro da Ordem Nacional do Mérito da França. Recebeu o “Global Citizen Award” da Global Spatial Data Infrastructure Association. Rebeceu em 2012 o “Pecora Award” da NASA e USGS. Produziu 6 livros e mais de 150 artigos, que já foram citados mais de 4800 vezes (segundo Google Scholar em dez/2012). Orientou 25 dissertações de mestrado e 22 teses de doutorado nos cursos de pós-graduação de Sensoriamento Remoto, Ciência do Sistema Terrestre e Computação Aplicada do INPE. É membro do Comitê Editorial das revistas científicas Earth Science Informatics e Computers, Environment and Urban Systems. Sua equipe no INPE desenvolve software livre, incluindo: SPRING, um GIS orientado-a-objetos, TerraLib, uma biblioteca para criar aplicações geoespaciais, TerraHS, um ambiente de programação GIS em Haskell, e GeoDMA , um programa de mineração de dados geográficos. Também participa do desenvolvimento do TerraME , uma ferramenta para modelagem espacial em espaços celulares. No período de Junho/2013 a Maio/2015, é o ocupante da Cátedra Brasil na Universidade de Münster (Alemanha), como professor visitante do Instituto de Geoinformática.

Lattes