Convite: Seminários PGCST 15/09/2017): Dose Dupla

Seminarios PG-CST – Dose Dupla: Interações entre a Amazônia e o carbono atmosférico

Data: 15/09/2017 – sexta-feira
Local: Auditório Lambda– Prédio Lambda – INPE/SJC

Horário: 14h00min
Palestrante: Alessandro Carioca de Araújo – EMBRAPA/Belém-PA
Título: Trocas de carbono, água e energia nas florestas úmidas e sazonalmente secas da Amazônia
Resumo:
Durante duas décadas, o Programa LBA vem investigando os fluxos de superfície entre a atmosfera e biosfera no bioma Amazônia, utilizando uma rede de torres de observações micrometeorológicas distribuídas de acordo com gradientes climáticos e ecológicos. Dados observacionais mostram comportamentos distintos entre a Amazônia equatorial (úmida) e a meridional (sazonalmente seca). Mecanismos como raízes profundas e redistribuição hidráulica são apontados como estratégias evolutivas que permitem à vegetação aproveitar o aumento de radiação à superfície no período menos chuvoso. Entretanto, parece haver uma limitação fisiológica, pois nesse período há partes da Amazônia em que a floresta aumenta a assimilação de carbono e a evapotranspiração, enquanto em outros isso não é observado. Os resultados observacionais são confrontados com os de modelagem e mostram que houve uma melhora significativa na capacidade preditiva quando alguns mecanismos foram incorporados.

Horário: 15h00min
Palestrante: David Montenegro Lapola – UNICAMP/SP
Título: Programa AmazonFACE: mudanças climáticas, meio ambiente e sociedade na Amazônia
Resumo:
Esta palestra versará sobre o programa de pesquisas AmazonFACE, cujo pivô central é  um experimento pioneiro de enriquecimento por CO2 na Amazônia, de modo a avaliar os impactos que mudanças climáticas futuras terão sobre a floresta. O projeto se baseia na hipótese de “savanização” da Amazônia, em que mudanças climáticas extremas causariam uma perda catastrófica e de larga-escala da biomassa florestal na região. Sendo assim, as pesquisas no âmbito do programa não se limitam apenas ao experimento de campo, mas também com uma forte componente sócio-econômica avaliando por exemplo os impactos dessa possível savanização para o setor agrícola, produção de energia, e até mesmo fluxos migratórios. O resultados a serem colhidos no projeto também terão implicações para políticas públicas, sobretudo na área de mudanças climáticas e biodiversidade. Por fim, de maneira inovadora o projeto tem abordado também uma dimensão artística sobre a ciência sendo feita na floresta. O AmazonFACE vem sendo considerado como um dos mais relevantes esforços científicos da atualidade sendo conduzidos na maior floresta tropical do mundo.